Equalize-se e permaneça vivo

O fato de uma pessoa praticar uma atividade muitas vezes a leva a ficar desleixada com as regras básicas de segurança. Com os escaladores não seria diferente. Na maior parte dos relatos de acidentes notamos que houve uma sequência de acontecimentos e negligências que poderiam ter sido evitados. E juntando com o fato de que escaladores experientes às vezes se envolvem em tais tragédias, é importante mantermos sempre o padrão e nunca menosprezarmos a chance que seja mínima, de o azar nos transformar em estatísticas infelizes.

Esta semana, o Gabriel Buésio achou um vídeo de escalada em  Balneário Camboriú, SC que é um verdadeiro apanhado de procedimentos errados. Veja só uma das bases:

Que §@%& é essa? Pessoas com vocação para defunto, se aventurando pela escalada e inventando técnicas.
Que §@%& é essa? Pessoas com vocação para defunto, se aventurando pela escalada e inventando técnicas.

Abaixo, mostro em sequência, o modo correto para equalizar uma base em dois pontos fixos (grampos ou chapeletas), para segurança do guia ou segundo.

Sequencia de equalização. Passe a fita pelos mosquetões e depois torça um dos lados.
Sequencia de equalização. Passe a fita pelos mosquetões e depois torça um dos lados.
Passe o mosquetão mestre pelas duas fitas.
Passe o mosquetão mestre pelas duas fitas.
Anúncios

6 comentários em “Equalize-se e permaneça vivo”

  1. Valeu Eliseu, mandou bem nas explicações, espero que todos possam aproveitar e principalmente que coloquem estas explicações em prática. Escalar com segurança sempre. Abraços.

  2. Vou dar uma de advogado do diabo nessa foto, porque vi coisa pior no vídeo.
    Na situação dessa foto, ele não está equalizado, como seria o ideal. porém ele tem redundância na auto-segurança. sendo a fita solteira e a solteira feita com a corda, cada uma em um grampo. E nessa parte dessa via, segundo o vídeo, a parada não corre risco de segurar um fator 2, uma vez que é feita uma horizontal logo na saída. Porem o procedimento é repetido na próxima enfiada, onde ha risco de fator 2.
    Mas ainda assim, a não utilização da equalização, infelizmente é comum no brasil, uma vez que existem muitas vias sem parada dupla.

    O que me assustou mesmo, foi na outra parada, que mostra dando segurança para o segundo, com duas coisas, que quando separadas são “não recomendadas” mas que juntas simplesmente não servem para nada, que foram freio oito “rápido”, e freio oito montado na parada.
    O cara me fez um freio oito rápido montado na parada, o que faz com que em caso de queda do segundo, ele tenha frenagem pouco maior do que a corda simplesmente passada pelo mosquetão.

  3. Boa completamente correto em tudo Eliseu. Essa escalada fim com meu filho e um amigo meu Marcel, não escalo a mais de 10 anos, não levo ninguém para escalar, não dou curso de escalada, meu negocio a mais de 10 anos é tirolesa e paraquedismo ok? O vídeo se refere a uma matéria que fiz para meu programa ok. Foi minha unica escalada e não tenho pretençao nenhuma de voltar a escalar. Segurança em primeiro lugar ok. Podem ficar tranquilo que qualquer erro na referida atividade ficou ali, nao será repassada para ninguém. Pois Não atuo no ramo de escalada a mais de uma decada ou mais. Realmente tntos anos sem praticar isso no deixa desleixado e os riscos estao ai.

  4. Eliseu, segundo o YouTube o vídeo foi removido, então não consegui ver, mas fiquei curioso: além da parada não equalizada, o que mais tinha de “errado” ou “pouco recomendável” 🙂 ?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s